Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2019

Fenícios: os maiores navegadores da Antiguidade

Imagem
Conhecidos como “os maiores navegadores da Antiguidade”, os fenícios estabeleceram o primeiro império marítimo da História, ao fundar diversas colônias e cidades-estado por todo o mar Mediterrâneo.

Originários do Levante — a região litorânea atualmente dividida por Síria, Israel e Líbano — os fenícios se estabeleceram na região por volta de 3000 a.C., mantendo uma relativa organização social, primeiro em pequenas aldeias, que foram evoluindo para cidades mais complexas ao longo dos séculos.

Mas, segundo alguns achados arqueológicos, apenas após os séculos XII e XI a.C. é que o povo conquistou uma importância maior na região, principalmente após a invasão dos povos do mar na região da cidade de Biblos.

Quando falamos em “unidade fenícia” no sentido de considerá-los um povo unido em torno de um território, um Estado, mesmo que fragmentado, devemos tomar cuidado.

Apesar da organização social e política das cidades serem bem parecidas e do povo fenício ter uma importância significativa na exp…

Rei Arthur: Lenda ou Realidade?

Imagem
A Idade Média está cercada de lendas e mitos que fascinam milhões de pessoas até os dias de hoje. Estas lendas na época faziam parte da tradição oral de diversos povos e com o tempo iam agregando outros elementos e personagens, sempre em forma de contos, cantos ou trovas.

E de todas as lendas medievais, talvez a que mais desperte curiosidade e admiração em um número considerável de pessoas é a do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda.

O grande problema em falar sobre o rei Arthur é justamente saber o que é lenda ou verdade, pois até hoje nenhum historiador conseguiu provar a existência de um Arthur que reinou na Inglaterra.

Ao longo dos séculos, diversos escritores romancearam a lenda, principalmente por causa da época e do local: Arthur teria vivido na Bretanha entre os séculos VI e VIII, quando tem-se também o início dos registros dos romances cavalheirescos, ou romances de cavalaria, que se consolidaram por toda a Europa Medieval lá pelos séculos X e XI.

Segundo uma das lendas, …

A Recife holandesa

Imagem
Em 1624 os holandeses já haviam criado a Companhia das Índias Ocidentais e iniciado planos para a expansão de seus domínios além-mar na África e na América, já que a Companhia das Índias Orientais conseguia, na época, relativo sucesso comercial na Ásia. Mas como conquistar locais já ocupados e colonizados por portugueses e espanhóis, ainda mais na época da União Ibérica, quando as duas potências marítimas respondiam à mesma Coroa?

O jeito era usar a força. E assim a Holanda conseguiu, por aproximadamente um ano, controlar Salvador, então capital do Brasil. Para os holandeses, o importante era traficar escravos para as lavouras do nordeste e eliminar os atravessadores — no caso, os ibéricos — no comércio de açúcar. Expulsos pela Jornada dos Vassalos em 1625, os holandeses juntaram forças durante cinco anos e em 1630 conquistaram Olinda e Recife.

E é aqui que começamos nosso texto, falando sobre a influência holandesa na região em 24 anos de dominação.

Conquistando Olinda, depois Recife: a…

O mito do El Dorado

Imagem
A Balsa de El Dorado, artefato de ouro puro, atribuído à cultura muisca.
Desde o início do desbravamento e colonização do continente americano que os exploradores destas terras d’álem-mar tiveram contato com histórias e lendas que falavam de um tal de “El Dorado”.

Atrás desta lenda, muitas expedições chegaram a regiões completamente selvagens e até mesmo intocadas pelo ser humano. Mas o que era, enfim, esse tal de El Dorado?

Mito? Realidade? Ou apenas “exagero” dos exploradores sedentos por ouro?Segundo as lendas, ouvidas pela primeira vez entre 1531 e 1532 pelos espanhóis que desbravavam as regiões costeiras da Colômbia, Venezuela e Peru, liderados por Diego de Ordaz, existia próximo dali um reino, dos nativos Chibcha — também conhecidos como Muiscas —, onde seu líder tinha tantas riquezas que era costume ele cobrir-se com uma resina e aplicar ouro em pó pelo corpo todo. No fim do dia o monarca ia até uma lagoa, banhava-se e retirava todo o pó que cobria seu corpo.

Por isso o nome “El Do…

A Pedra de Roseta e a “descoberta” do Egito Antigo

Imagem
Por muitos séculos ninguém sabia exatamente o que significavam aqueles conjuntos de símbolos egípcios conhecidos como hieroglifos. A escrita egípcia antiga, encontrada nos grandes templos, nos tesouros retirados das tumbas e nos poucos papiros que sobreviveram à ação do tempo desde a Antiguidade aumentavam a aura de mistério em torno desta grandiosa cultura africana.

Mas em 1799, em uma expedição militar do (ainda) general Napoleão Bonaparte, o descoberta do pedaço de uma estela na cidade de Roseta, no delta do Nilo, ajudou o linguista francês Jean-François Champollion a decifrar os misteriosos hieroglifos, e a partir daí os arqueólogos e historiadores conseguiram, enfim, conhecer a História do Egito Antigo, uma das mais fascinantes de todos os tempos.

E também começaram, claro, a CONTAR esta História nos livros. Mas vamos primeiro entender como o enigma foi desvendado…

Como Champollion decifrou o que estava escrito da pedra? A Pedra de Roseta é uma estela, um bloco de granito negro, conh…

A Reforma de Lutero

Imagem
Europa, século XVI. Descontente com as imposições da Igreja Católica, um alemão iniciou uma grande mudança no cristianismo ocidental. Nascido em 1483, Martinho Lutero, um monge agostiniano e professor de teologia, contestou a Igreja a partir de 1517 e acabou fundando uma nova religião, o protestantismo.

Lutero, que teria entrado para a ordem monástica após escapar de uma tempestade de raios, pois entendeu aquele evento como um milagre, percebeu que algo estava errado na Igreja Católica.

Verdadeira dona da fé na parte ocidental da Europa nesta época e já esticando seus braços para as novas descobertas ultramarinas, a Igreja Católica passava por um período turbulento, sofrendo pequenas contestações aqui e ali, que acabavam abafadas pelo temor, mas não deixavam de abalar os pilares que foram construídos ao longo de toda Idade Média.

Dentre os vários fatores que levavam às contestações, aos questionamentos junto à ordem católica, Lutero iniciou seus protestos contra as indulgências, que nada…

As sete maravilhas da antiguidade

Imagem
Listadas pelo poeta grego Antípatro de Sídon (provavelmente entre os anos de 150 e 120 a.C.), as “sete coisas dignas de serem vistas”, do grego “Ta hepta Thaemata”, as maravilhas foram construídas pelos homens em diferentes épocas da Antiguidade e entraram na lista do poeta grego pela beleza, grandiosidade e magnitude.

Estima-se que quando fez a lista, Antípatro teria visitado as sete construções, já que na época todas existiam dentro da extensão do mundo conhecido pelos gregos.

Infelizmente só uma das Sete Maravilhas continua de pé até hoje, então a maioria das imagens que ilustram o texto são na verdade representações artísticas das construções, ou seja, podemos ter várias versões da mesma construção espalhadas pela internet e pelos livros de História, ok? Ah, e estão numeradas apenas simbolicamente, não quer dizer que uma é superior à outra.

Vamos à lista:

1 — Estátua de Zeus em Olímpia Era a única das Maravilhas que ficava na Grécia.

Construída no século V a.C. pelo ateniense Fíd…

A Revolução Farroupilha

Imagem
A Revolução Farroupilha, também conhecida como Guerra dos Farrapos, foi o segundo maior conflito armado do continente americano, começando em 1835 e tendo fim somente em 1845.
Por que “Farroupilha”?Este foi um apelido dado aos gaúchos na luta contra o Império Brasileiro. Como não tinha uniforme para todo mundo — e havia, inclusive, falta de equipamento exclusivamente militar para a luta armada, como armas e botas — muitos lutaram com roupas esfarrapadas, maltrapilhos, e levavam suas próprias garruchas, espingardas, adagas e facas para a luta. Muitos soldados eram peões de estância e negros recém-alforriados pelos senhores, portanto, pessoas mais humildes.


O início do conflitoPodemos dizer que a Revolução teve causas político-econômicas. A corrente política de influência liberal pedia uma maior autonomia das províncias, em contraste à Constituição de caráter unitário promulgada por D. Pedro I em 1824. Alguns liberais eram a favor da separação da província, pois entendiam que apenas desta…

A Revolução Iraniana

Imagem
Desde o início do século XX, todo país que tinha ou tem reservas de petróleo sofreu, em algum momento, intervenção das chamadas grandes potências querendo explorar o ouro negro.

E no Irã não foi diferente. Como eles negociavam muito petróleo com o ocidente, durante a Segunda Guerra o país ficou no radar dos alemães, sedentos pelo combustível que movimentaria suas máquinas de guerra.

Para evitar uma quase inevitável invasão nazista, os britânicos — que já controlavam a extração de petróleo na região com a Companhia de Petróleo Anglo-Persa (APOC) — resolveram intervir militarmente, protegendo os campos e aumentando ainda mais a pressão política no Irã, que nesta época já era governado pelo xá Rheza Pahlevi, que havia dado um Golpe de Estado na década de 1920 e desde então estava no poder.

Esta invasão britânica não foi gratuita, já que Pahlevi abriu diálogos com Alemanha e Itália pouco antes da guerra estourar, em 1939, na tentativa de se aproximar dos governantes totalitários da Europa, g…

A Sabinada

Imagem
Durante o Período Regencial e os primeiros anos após a coroação do imperador D. Pedro II, o Brasil passou por diversas revoltas que abalaram a unidade do país. Esta foi uma época conturbada no mundo inteiro, e aqui no Brasil não foi diferente.

A Sabinada foi um movimento contrário à Regência ocorrido entre 1837 e 1838 na Bahia, que já havia sido palco da Conjuração Baiana em 1798, da Federação dos Guanais em 1832 e da Revolta dos Malês em 1835. Portanto, a província já tinha um histórico de revoltas e lutas.

O médico e jornalista Francisco Sabino Álvares da Rocha Vieira foi o principal mentor da revolta, que não desejava a independência da província da Bahia, mas sim a instalação de uma república independente do Império Brasileiro até o fim da Regência.
Causas da SabinadaHavia um certo descontentamento em todo o Brasil com a excessiva centralização da Regência. Na Bahia esta situação ficava pior, pois as autoridades nomeadas para governar a província — representadas pelo governador Franc…

Os Cretenses

Imagem
A civilização minoica — nome pelo qual também costumamos chamar o povo cretense nos primeiros séculos de existência — desenvolveu-se de uma forma organizada em cidades por volta de 3000 a.C. na ilha assinalada no mapa abaixo, às portas do Mar Egeu e com posição destacada no Mar Mediterrâneo. Mas arqueólogos já acharam diversos indícios que a ilha era habitada por povos neolíticos desde 6000 a.C.

As primeiras peças de cerâmica encontradas em escavações na ilha datam de 5700 a 5600 a.C., o que comprova a presença humana na região.


Os primeiros habitantes, provavelmente povos oriundos das cercanias dos mares Mediterrâneo e Egeu, tinham na agricultura o principal sustento. Cultivavam principalmente oliveiras, vinhas e cereais como trigo e lentilhas, além de criar bois e cabras, tanto nas planícies da ilha como em volta dos primeiros assentamentos populacionais, que mais tarde tornaram-se as primeiras cidades cretenses.

Eles também desenvolveram um forte artesanato e por volta de 3000 a.C. — …