A Revolta dos Malês

males_01

De todas as revoltas que ocorreram no Brasil imperial, a dos malês é talvez a mais desafiadora e surreal, sob várias particularidades: foi organizada por escravos muçulmanos que estavam insatisfeitos com a imposição do culto católico sofrida aqui nas terras brasileiras, além de desejar a implantação de um governo muçulmano na Bahia.

Em janeiro de 1835, cerca de 1500 escravos estavam preparados para tentar tomar o governo e promover o que seria uma verdadeira revolução no meio do período regencial. Mas para entender por que a revolta ocorreu, nós precisamos entender o que estava acontecendo na região naquela época.

Escravidão e imposição: Além de escravizado, o negro era proibido de professar sua fé.

Em janeiro de 1835 a situação da cidade de Salvador era a seguinte: metade da população era composta de escravos, e muitos deles eram os chamados escravos de ganho, que realizavam trabalhos remunerados para outras pessoas, em uma espécie de aluguel – o senhor “alugava” o escravo para alguém que precisava de uma mão-de-obra e o escravo acabava ficando com uma porcentagem do dinheiro pago ao senhor pelo serviço.

Desta forma muitos escravos juntavam dinheiro e compravam sua alforria, sua liberdade, e assim continuavam prestando serviços para outras pessoas, juntando mais um dinheirinho e até mesmo – não se assustem – chegavam a comprar escravos. Mesmo assim estes escravos de ganho – e muitos negros alforriados – não eram bem tratados pela população “branca”, e eram constantes os episódios de violência contra os negros.

E mesmo separados de sua terra natal, na medida do possível os negros mantinham seus costumes. Só que, assim como a capoeira, reprimida pelas autoridades, os costumes religiosos dos negros sempre causaram um certo comichão na Igreja Católica e seus representantes aqui no Brasil pois, óbvio, a grande maioria dos negros – para não dizer “todos” – trazidos da África para cá não eram católicos.

Alguns, temendo o chicote, até aceitavam o catolicismo, eram batizados na Igreja Católica mas, secretamente, continuavam a venerar seus orixás. Dúvidas se isto era verdade? Vai na Bahia ver como existe o que a gente chama de sincretismo religioso. Hoje em dia está tudo meio mesclado, já que ritos católicos com o tempo acabaram misturados com elementos do candomblé. É aquela velha máxima do “se não pode vence-los, junte-se a eles”. Um dia a gente escreve um texto discutindo este sincretismo tupiniquim, o tema é bem interessante.

Mas agora vamos voltar ao assunto do texto. Como eu disse, alguns negros aceitavam o catolicismo, mas a Igreja Católica encontrou muita resistência com os malês(1), os escravos que professavam a fé islâmica antes de serem trazidos para o Brasil. Eles não aceitavam a imposição do batismo católico, muito menos desejavam seguir os ritos impostos pela Santa Sé. Para piorar as coisas, o governo em Salvador proibiu qualquer manifestação religiosa que não fosse católica, e a mesquita do bairro Vitória, reduto dos muçulmanos da região, foi destruída. Um dia “alguém” resolveu dar um basta nesta imposição.

Pai Inácio, Manuel Calafate, Ahuma e Aprício: alguns dos organizadores da revolta.

A ideia dos revoltosos, liderados pelos negros Pai Inácio, Ahuma, Manuel Calafate, Luís Sandim, Elesbão do Carmo, Pacífico Licutan, Luiza Mahin, Aprício, Nicoti e Dissalu era a seguinte: no dia 25 de janeiro, por conta de uma festa católica na cidade de Bonfim, os negros aproveitariam o esvaziamento de Salvador para libertar todos os escravos muçulmanos que ainda não estavam alforriados – principalmente os que ainda estavam presos nas fazendas -, matariam ou escravizariam todos os brancos e mulatos católicos ou contrários ao islamismo, tomariam posse dos quartéis da cidade e dos engenhos e fundariam uma monarquia islâmica na região.

Para alcançar este objetivo, arrecadariam dinheiro e comprariam armas e munições. Muitos destes negros muçulmanos trazidos nesta época para o Brasil já tinham experiência de combate com armas, o que deixava os revoltosos confiantes. No dia 25, os negros deveriam se juntar na região do bairro de Vitória e de lá investiriam inicialmente contra os quartéis de Salvador, além de iniciar a tomada da cidade. Só que eles foram delatados por uma negra a um juiz de paz de Salvador, o que frustrou os planos – que originalmente foram escritos em árabe. Uma segunda versão conta que dois negros libertos teriam delatados os malês.

Na noite do dia 24 de janeiro, a polícia invadiu a casa de Manuel Calafate, mas os negros que estavam ali reunidos resistiram aos policiais e seguiram para a cadeia, que ficava em baixo da Câmara Municipal, com o objetivo de libertar Pacífico Licutan.

No desenrolar da revolta eles até chegaram a tomar um dos quartéis da cidade, mas também foram cercados por forças imperiais. Incapazes de poder lutar contra uma força bem maior e mais bem armada, os malês ainda resistiram até o dia 27, mas acabaram subjugados. Tropas imperiais, reforçadas pela polícia de Salvador e por “civis” que não desejavam uma revolta de escravos na região, cerca de 500 negros foram cercados próximos ao quartel da cavalaria em Água de Meninos, onde ocorreu a derradeira batalha.

A luta entre as tropas imperiais e os malês.

A rebelião acabou com 7 mortos do lado das tropas imperiais e cerca de 70 do lado dos malês(2). Todos os negros capturados – 281 ao todo – foram levados à julgamento. Os líderes foram condenados à morte, enquanto outros receberam penas que variavam de açoites, trabalhos forçados ou o degredo, sendo mandados de volta para a África. Muitos negros, mesmo não identificados “oficialmente” pela justiça sofreram açoites, alguns até a morte, ou foram expulsos do Brasil.

As autoridades de Salvador mantiveram o veto do culto islâmico e ainda por cima proibiram a circulação de negros muçulmanos à noite. Mesmo com a revolta dos malês esmagada pelas forças imperiais, o movimento serviu para demonstrar que havia força entre os negros. Na época muitos senhores de engenho e outros proprietários de escravos temiam uma grande revolta negra no Brasil – que acabou não acontecendo – já que o número de escravos era muito grande no país. O medo provocado nas elites pela rebelião foi tão grande que a corte imperial proibiu a transferência de qualquer escravo baiano para qualquer outra região do país.

Notas:

(1) O termo “malê”, ou “imalê” é de origem africana (ioruba) e significa “o muçulmano”.

(2) Alguns historiadores divergem quanto ao número oficial de mortos nos combates. Alguns falam em mais de 10 soldados imperiais e mais de 70 negros mortos. Também há a divergência entre o número total de negros que fizeram parte da revolta. Alguns sugerem que o número real era de 1500 elementos, mas outros historiadores falam entre 600 e 700 revoltosos.

Fonte:

- REIS, João José. “Rebelião Escrava no Brasil – A história do levante dos Malês em 1835“. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

Textos relacionados:

18 comentários para “A Revolta dos Malês

  1. Muito bom o texto.
    Só uma correção: “Em janeiro de 1935 a situação da cidade de Salvador era…”

  2. Muito bom o, o Históriazine é mais uma ferramenta de estudos para as pessoas.
    Valeu Vinícius !

  3. meu nome e alexandre fico feliz por sabe que nao a so a macuba como religiao dos negros acredito em alah a no profeta morad apartir de hoje seguirei o Islan .

  4. Nossa otimo texto,me ajudou bastante a fazer o trabalho que eu precisava. Parabens pelo site.

  5. Gostaria de saber uma coisa, a revolta tinha como objetivo acabar com a escravidão, a repressão que os escravos sofriam ao exercerem sua religião, o preconceito com os negros e ” a implantação de uma monarquia na Bahia”? Pois eu pesquisei em outros sites o mesmo tema e não falavam da implantação de uma monarquia na Bahia. E mais uma coisa, se os escravos queriam uma monarquia na Bahia, oque a Bahia era? E porque queriam uma monarquia, se queriam acabar com a escravidão?
    Adorei o site
    :)

    • Lisa, foi bom você me lembrar deste ponto, pois há divergências quanto a alguns objetivos dos malês. A maioria dos livros de História cita, no máximo, que os malês desejavam a implantação de um governo muçulmano, mas não especificam o sistema de governo (provavelmente uma teocracia… eu já cheguei a ler o termo “democracia muçulmana”, enfim…)

      Foi bom você tocar neste assunto, pois dia desses eu pensava exatamente neste texto sobre esta parte… eu, que sou o professor, estou em dúvida, então vou retirar a informação e completar o texto quando tiver certeza absoluta, ok?

      Mas o fato é que eles queriam implantar um governo DIFERENTE do governo imperial brasileiro, que nesta época estava na mão dos regentes.

      Mais uma vez, obrigado! :)

  6. Opa, Vinicius!

    Primeiramente, parabéns e obrigadx por compartilhar seus conhecimentos nesse site.

    Bom, tenho uma pergunta: Em um artigo do João José, “A revolta dos Malês em 1835 (http://www.educacao.salvador.ba.gov.br/documentos/a-revolta-dos-males.pdf)”, o autor informa que o número de envolvidos na revolta era 600 -ele até coloca que “parece pouco mas esse numero é equivalente à 24 mil nos dias de hoje.”- No texto está um número de 1.500 e se trata da mesma fonte…

    Outra questão em relação à essa informação: “A ideia dos revoltosos, liderados pelos negros Pai Inácio, Ahuma, Manuel Calafate, Luís Sandim, Elesbão do Carmo, Pacífico Licutan, Luiza Mahin, Aprício, Nicoti e Dissalu era a seguinte: no dia 25 de janeiro, por conta de uma festa católica na cidade de Bonfim, os negros aproveitariam o esvaziamento de Salvador para libertar todos os escravos muçulmanos que ainda não estavam alforriados – principalmente os que ainda estavam presos nas fazendas -, matariam ou escravizariam todos os brancos e mulatos católicos ou contrários ao islamismo, tomariam posse dos quartéis da cidade e dos engenhos e fundariam uma monarquia islâmica na região.”
    O trecho está exatamente de acordo com o livro ou você colocou suas palavras? Estou em um trabalho acerca dos malês sob a perspectiva do João José e gostaria de usar esse trecho (Inclusive se você tiver o livro, seria legal disponibiliza-lo em PDF ou os trechos que você usou, pois o livro mesmo é muito grande).

    Grande abraço,
    Amanda.

    • Amanda, este livro está mais como fonte para pesquisa, pois eu li o mesmo quando estava na faculdade (lá por 2005 ou 2006) e só em 2011 escrevi este texto, que na verdade teve como base algumas anotações que eu tinha feito em um caderno que eu mantinha para anotações sobre História do Brasil.

      A parte que você pergunta se está conforme o livro (ou não) provavelmente não está, a não ser que minha memória tenha sido tão boa, na época, para guardar tais frases! rsrs

      E a nota (2) explica que existem divergências quanto ao número de revoltosos, mas o João José Reis cita realmente uns 600 elementos.

  7. baah muito bom esse texto sou estudante e isso me ajudou muito foi uma pesquisa bem enteressante relatando sobre toda a historia obrigado a quem fez esse texto pois esta maravilhoso

Comente, discuta, opine (mas sem escrever palavrão ou agressão verbal, ok?). Nossos comentários são moderados.